Carbono Social - Instituto Ecológica

Carbono Social - Instituto Ecológica

Carbono Social

O Carbono Social é marca registrada nacional e internacionalmente e tem por objetivo garantir que os projetos de redução de emissões de gases de efeito estufa contribuam significativamente para o desenvolvimento sustentável, incorporando métodos transparentes e participativos de acesso e mensuração dos benefícios revertidos para as partes envolvidas e para o meio ambiente.

O Instituto Ecológica vem desenvolvendo ao longo dos anos o conceito do Carbono Social a partir de projetos pilotos de sequestro de carbono no Tocantins, onde o carbono reduzido ou absorvido em consequência da execução dos projetos promove a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais por meio da interação destas com as atividades do projeto.

A Metodologia do Carbono Social (MCS)

A expressão “Carbono Social” pode ser compreendida como todo o carbono reduzido considerando as ações que viabilizam e melhoram as condições de vida das comunidades envolvidas nos projetos, visando assegurar o bem-estar e a cidadania, sem degradar a base dos recursos.

Nesse sentido, a Metodologia vem sendo usada para analisar a realidade e orientar iniciativas de desenvolvimento sustentável associados às mudanças climáticas.

Objetos da Metodologia do Carbono Social

O objetivo geral da Metodologia do Carbono Social é contribuir para o desenvolvimento sustentável, possibilitando o aumento dos recursos de sustentabilidade, que são: Carbono, Biodiversidade, Natural, Financeiro, Humano e Social. Assim, com o aumento dos recursos de sustentabilidade, a comunidade ou empresa envolvida torna o processo sustentável, com ganhos de créditos de carbono em consonância com ganhos sociais, ambientais e financeiros.

Objetivos Específicos da Metodologia do Carbono Social

  • Valorizar o potencial e os anseios das comunidades utilizando uma visão comunitária.
  • Identificar os impactos das mudanças globais no cenário local e estimular a análise dos atores locais.
  • Identificar os ecossistemas e os potenciais de biodiversidade, determinar áreas de possíveis tensões ecológicas, estimular e valorizar o uso do conhecimento tradicional.
  • Buscar a inclusão social e reconhecer questões de gênero, promovendo a melhoria da qualidade de vida dos menos favorecidos, por meio da redução das desigualdades sociais.

Mecanismos de Acompanhamento

A Metodologia do Carbono Social possui uma representação visual em forma de hexágono em que cada vértice corresponde a um recurso de sustentabilidade. O centro do hexágono (valor 0) representa acesso zero aos recursos, enquanto a borda externa (valor 6), o acesso máximo. Cada um dos recursos pode apresentar valores em uma escala que vai de 0 a 6, com base nas variáveis e cenários definidos.

A avaliação da evolução dos recursos e indicadores ao longo dos anos é realizada por meio de diagnósticos anuais das atividades de projeto. Conforme vão ocorrendo mudanças nas atividades das empresas e comunidades no entorno do projeto, as linhas se deslocam, modificando o polígono formado ao longo do tempo.

A Metodologia privilegia a participação efetiva das comunidades em todos os processos, tornando-se passível de um controle social. Para o monitoramento são utilizadas oficinas participativas, entrevistas e visitas no local do projeto. A figura abaixo apresenta o hexágono para a comunidade do Assentamento Araguaia, no município de Caseara, no Tocantins.

mudancas_social

Devido a sua dinâmica flexível e holística, a Metodologia do Carbono Social pode ser aplicada a diferentes tipos de projetos, sejam eles ligados à eficiência energética, energias renováveis ou na área florestal. Os seis recursos da Metodologia são:

  • Recurso Social: abrange ações de responsabilidade social, além de relações e interação entre associações e organização não governamentais e relacionamento com a comunidade local.
  • Recurso Humano: voltado para análise da habilidade, conhecimento e capacitação para o trabalho, incluindo questões de saúde e segurança dos trabalhadores.
  • Recurso Financeiro: é o capital básico que está disponível para as empresas, assim como as formas de investimentos e barreiras financeiras do projeto.
  • Recurso Natural: analisa a relação existente entre a empresa e o meio ambiente considerando impactos sobre os recursos naturais, ações que contribuem para conservação do meio ambiente e manutenção de serviços ambientais.
  • Recurso Carbono: refere-se ao tipo de manejo de carbono desenvolvido, e características referentes ao projeto de sequestro ou redução de emissões.
  • Recurso Biodiversidade: avalia se o projeto está em áreas de importância para conservação e/ou biodiversidade, a presença de animais em extinção na região e ecossistemas de importância econômica com forte atividade antrópica.

Links Relacionados

www.socialcarbon.org